quarta-feira, 28 de dezembro de 2011

Fé, esperança e amor!

Estamos chegando ao fim de mais um ano e no começo de mais outro ano!

Tudo o que aconteceu nesse ano que se finda é passado! Coisas boas ou ruins, tudo faz parte do passado, “as coisas velhas já passaram…” (2 Co 5.17).

O prognóstico para o futuro não parece muito alentador, mas uma coisa é certa, a fé, a esperança e o amor não podem faltar na vida daqueles que querem dias melhores para o futuro.

Sim, fé no Deus que está no controle de todas as coisas, fé em si mesmo, ainda que tudo pareça contrário e os outros não acreditem em você, fé no ser humano, ainda que nos decepcionemos, fé na vida, ainda que seja difícil e cheia de obstáculos!

Esperança no Deus que nunca nos deixa só e tem preparado um lugar de glória para cada um de nós, esperança que haverá dias melhores, esperança de uma vida tranquila e de paz, ainda que em meio a tormentas e tribulações.

Acima de tudo o amor, que deve estar presente em todas as ações e atitudes de nosso ser. O amor que deve encher nossos corações de tal maneira que não haja lugar para nenhum sentimento contrário. Amor a Deus sobre todas as coisas, amor ao próximo e a amor a si mesmo!

Afinal, somente isso permanecerá!

“Agora, pois, permanecem a , a esperança e o amor, estes três, mas o maior destes é o amor” (1 Coríntios 13.13).

“Mas nós, que somos do dia, sejamos sóbrios, vestindo-nos da couraça da e do amor, e tendo por capacete a esperança da salvação” (1 Tessalonicenses 5.8)

“Lembrando-nos sem cessar da obra da vossa , do trabalho do amor, e da paciência da esperança em nosso Senhor Jesus Cristo, diante de nosso Deus e Pai” (1 Tessalonicenses 1.3)

Feliz Ano Novo para todos!

terça-feira, 4 de janeiro de 2011

Salmo 12

Leia o Salmo abaixo, parece um retrato de nossos dias:

1  SALVA-NOS, SENHOR, porque faltam os homens bons; porque são poucos os fiéis entre os filhos dos homens.
2  Cada um fala com falsidade ao seu próximo; falam com lábios lisonjeiros e coração dobrado.
3  O SENHOR cortará todos os lábios lisonjeiros e a língua que fala soberbamente.
4  Pois dizem: Com a nossa língua prevaleceremos; são nossos os lábios; quem é SENHOR sobre nós?
5  Pela opressão dos pobres, pelo gemido dos necessitados me levantarei agora, diz o SENHOR; porei a salvo aquele para quem eles assopram.
6  As palavras do SENHOR são palavras puras, como prata refinada em fornalha de barro, purificada sete vezes.
7  Tu os guardarás, SENHOR; desta geração os livrarás para sempre.
8  Os ímpios andam por toda parte, quando os mais vis dos filhos dos homens são exaltados.

segunda-feira, 3 de janeiro de 2011

Dois homens, dois destinos diferentes

Eles eram discípulos. Andaram juntos, tiveram experiências em comum, viram coisas extraordinárias, presenciaram milagres e curas fantásticas ao longo da caminhada com o Messias. Tudo indica que um era superextrovertido, o outro superintrovertido. Um falava demais, o outro falava de menos e quando falou alguma coisa, falou inapropriadamente. Um fez uma declaração fantástica a respeito do Cristo, de que Ele era o Filho do Deus vivo, mas também se deixou levar pelo inimigo e foi usado por ele para dizer algo que tornaria impossível a nossa salvação.

Você já sabe de quem estou falando, não é mesmo? Sim, de Pedro e Judas. Os dois tiveram um momento crucial em suas vidas. Um se tornaria o traidor, o outro negaria o seu Mestre três vezes. A diferença estaria na atitude de cada um depois do pecado cometido.

Os dois seguiram caminhos totalmente diferentes.  Mas o mesmo sentimento invadiu a coração deles: REMORSO. Não, não venha me dizer que Pedro se arrependeu, enquanto Judas sentiu remorso simplesmente, como estou farto de ouvir em pregaçoes por aí.

O remorso de um o levou a enforcar-se, a tirar a sua própria vida numa tentativa de aliviar a dor que sentia por ter cometido tão grave pecado, o  de ter traído o seu Mestre, como ele mesmo disse “sangue inocente”.

O remorso de outro o levou a chorar amargamente.

Que diferença! Podemos concluir que os dois tinham conhecimento suficiente do Mestre para saber que Ele os perdoaria. Eles estiveram com Ele por mais de três anos e sabiam disso. Judas ao beijar o Mestre é chamado de amigo. Ora, se Jesus considerava Judas um amigo, o perdoaria por tamanha fraqueza! O problema estava em perdoar a si mesmo. Esse é o maior problema de muitos que pecam contra Deus.

O amor de Pedro pelo Mestre (e ele confessou isso três vezes) era muito grande para se deixar levar pelo sentimento de culpa, pelo remorso. Cabia a ele decidir se ficaria lamentando o pecado cometido ou se ia em busca do Mestre, para está com Ele, e receber dEle a incubência de apascentar as Suas ovelhas.

Um se tornou suicida, o outro, um dos maiores apóstolos e colunas da Igreja!

A diferença: a atitude e decisão pessoal de cada um. O fim, depende do caminho que seguimos. Cabe a nós escolher, afinal, Deus nos capacitou para que tomemos nossas próprias decisões.

É isso!

Conhece-te a ti mesmo

Este famoso aforismo grego, usado muitas vezes por Sócrates na sua maiêutica nos leva a refletir sobre quem somos de fato.

Conhecer-se não é fácil. Pensamos que nos conhecemos até o momento em que nos defrontamos com alguma situação em que agimos de uma forma que jamais imaginaríamos.

A Bíblia, no entanto, nos diz claramente quem somos: pecadores que precisamos desesperadamente de perdão e salvação, porque não há nenhum bom, que faça o bem e busque a Deus (Sl 14.1-3). O problema está em reconhecer isso.

Claro, hoje podemos nos reconciliar com Deus através de Jesus Cristo. Mas, mesmo conhecendo a Cristo e servindo-o da melhor maneira possível, é preciso avaliar-se constantemente. "Aquele, pois, que cuida estar em pé, olhe não caia."  (1 Coríntios 10.12).

O conhecimento de si mesmo deve levar a pessoa a uma dependência completa e total de Deus. Conhecendo-nos podemos descobrir coisas espantosas ao nosso respeito. 

Já me peguei várias vezes diante do espelho, olhando para o meu rosto e perguntando-me: quem sou eu? E sabe a resposta? Não tenho resposta, e isso me leva a depender de Deus 24 horas por dia. Mas uma coisa eu sei: não sou bom, porque só há um que é bom: DEUS.

Assim, entrego-me ao meu Salvador Jesus Cristo e deixo que Ele cuide de mim e me transforme, pelo Espírito Santo, à sua imagem e isso cada dia de minha vida aqui na terra!

Shalom Adonai.

Não é comigo…

Oh, quantas vezes nos tornamos indiferentes ao sofrimento de nossos semelhantes! Se a dor não é minha, não me importa, não me comovo. Se o trágico não ocorreu comigo ou com alguém que amo, é como uma notícia de jornal, lamento, mas não choro.

Que mundo é esse em que vivemos? Que tipo de seres humanos nos tornamos? Parece que não há mais solidariedade entre nós.

Leio a Bíblia e vejo o meu Salvador movendo-se de íntima compaixão por uma multidão que estava como ovelhas que não tinham pastor. Vejo Ele chorando por uma cidade que não reconhecia o seu Redentor e Messias e que muitas vezes quiz Ele juntá-la junto a si, como a galinha junta os seus pintinhos! Vejo Ele chorando por uma família que tinha perdido o seu ente querido e que também era seu amigo! Sim, Jesus tinha sentimentos, Ele se comovia com o sofrimento humano, não ficava indiferente ao que acontecia ao seu redor.

Coloco-me como seguidor do Nazareno, mas não hajo como Ele diante do que acontece ao meu redor! Quão indiferente sou eu!

Se meu irmão sofre, aumento o sofrimento dele, julgando-o ou condenando-o, porque ele deve ter cometido algum pecado muito grave para está passando por aquilo. Ou se ele comete algum pecado, atiro pedras nele e condeno-o porque ele não vigiou, não manteve-se fiel a Deus. “Vai queimar no mármore do inferno!” (expressão “muçulmana” usada em uma novela para quem cometia algum erro). Mas sabe o que diz o meu Mestre? “Nem eu te condeno, vai e não peques mais”. Sabe, preciso ser mais humano e compreensivo. Parece que estou me tornando intolerante! Não, não se trata de “passar a mão no pecado”, mas ajudar o meu irmão para que sua dor seja amenizada. É isso que faria o meu Salvador!

Assim, quero chorar mais, quero me comover mais com a dor do meu semelhante, mesmo que não o conheça! Quero ser mais humano!

Shalom Adonai!